Voltar ao início

Taxas e comissões de criptomoedas: o que são e para que servem

21/2/22

"O gás da Ethereum é muito alto"... "Operar em Solana é mais barato para mim"... "Eu jogo play-to-earn apenas na Binance Smart Chain por causa das taxas". Se você já conhece o ecossistema cripto há algum tempo, certamente ouvirá esses tipos de frases com muita frequência.

Comissões são valores pagos nas negociações de criptomoedas (e com outros tipos de ferramentas de blockchain, como NFTs), e são uma questão diária para quem se dedica ao trading, ou para quem busca constantemente otimizar seus portfólios de tokens e criptomoedas.

Esses valores representam um pagamento pelo uso de uma rede ou ferramenta de cripto baseada em blockchain e são geralmente usados ​​para sua manutenção: em alguns casos cobrem os custos das operações de mineração e em outros representam um pagamento pelos serviços oferecidos por uma plataforma, por exemplo, uma exchange.

De onde vem o preço de uma comissão?

Tenha em mente que essas comissões servem para regular dois aspectos do ecossistema de criptomoedas. Por um lado, o fato de “fazer coisas” em redes blockchain ter um custo mantém o ambiente mais refinado e mais sério. E, por outro, financia um sistema cristalino de validação e registro de operações, conhecido como mineração.

Mas cada rede blockchain escolhe seu protocolo e sistema de mineração, e cada um tem suas próprias características, desde atrasos nas transações e número de confirmações de segurança até o hardware necessário para minerar cada rede. Certos protocolos são mais caros que outros.

Por outro lado, quando a blockchain não é usada diretamente, mas sim uma ferramenta projetada em cima dela, as exchanges e aplicativos descentralizados (dApps) podem cobrar uma taxa extra pelo uso de sua plataforma, independentemente da taxa cobrada pela rede.

Por exemplo, a rede Ethereum pode cobrar uma certa taxa de gás (a comissão na rede de origem) por fazer um swap de criptomoeda em uma dex, e essa exchange descentralizada também pode cobrar uma comissão adicional pelo uso de sua interface para o swap.

Taxas básicas de Bitcoin e das altcoins

Como a primeira das criptomoedas, o Bitcoin lançou as bases gerais para todo o ecossistema. Por exemplo, seu sistema de mineração, conhecido como Proof of Work (prova de trabalho), foi canônico durante o desenvolvimento das primeiras altcoins.

O PoW é um sistema de mineração de cripto segundo o qual as pessoas que desejam trabalhar na mineração em rede devem disponibilizar equipamentos com muita capacidade computacional que ajudem a processar as operações, validá-las e registrá-las na blockchain.

Nesse sistema, os mineradores obtêm um pagamento em bitcoins ao processar determinado bloco de informações, mas também recebem um incentivo extra: a soma dos pagamentos de comissões por todas as operações que compõem aquele bloco.

As primeiras altcoins foram baseadas no código-fonte do Bitcoin e copiaram o sistema de prova de trabalho, então quem negocia Litecoin ou Monero reconhecerá características semelhantes: as redes PoW são mais baratas, mas também mais lentas que outras, porque priorizam a segurança antes da urgência das operações. Pelas mesmas razões, são geralmente mais exigentes do ponto de vista tecnológico.

Taxa de gás da Ethereum

A Ethereum também começou com um sistema PoW e está migrando de 2020 para um sistema Proof of Stake (prova de participação), que consiste em manter uma certa quantidade do token de rede para garantir a participação na mineração. Isso reduziria o custo de energia da mineração da Ethereum e também deveria diminuir as comissões de sua rede: a chamada taxa de gás, conceito típico da Ethereum, rede famosa justamente por seus altos custos.

A segunda rede cripto mais importante do mercado consolida essa ideia de taxa de blockchain como uma “dica” para os mineradores, pois oferece muito mais opções para gerenciar a variação de custos. De fato, na Ethereum como em muitas outras redes, se você deseja um processamento mais rápido de sua operação, pode pagar uma taxa mais alta.

A Ethereum também adotou o modelo Bitcoin, mas o estendeu ao entender que as redes blockchain podem funcionar como computadores descentralizados que podem ser programados. Desde então, milhares de dApps, exchanges descentralizadas e todos os tipos de projetos de cripto são construídos diretamente na Ethereum. O outro lado disso é a saturação de sua rede, com os consequentes aumentos de custos e atrasos.

Nesse contexto, outras redes cripto que funcionam na Ethereum, em paralelo ou inspiradas nele, e que se enquadram no conceito de soluções de camada 2, buscam oferecer as mesmas funcionalidades da Ethereum para escrever e executar contratos inteligentes (o código blockchain que funciona como o DNA dos dApps), mas com custos e prazos mais convenientes.

São os casos de Solana, Cardano ou Polygon, cada um com suas peculiaridades, ou redes especificamente projetadas para finanças descentralizadas (DeFi) como AAVE ou Uniswap. Nos dApps DeFi há outra peculiaridade: as comissões não são cobradas por uma empresa ou plataforma centralizada, mas são distribuídas entre os usuários que contribuíram com liquidez.

Variações nas comissões de cripto

Poderíamos dizer em resumo que as comissões incentivam o bom comportamento de quem participa de redes cripto. Eles mantêm o spam à distância, porque fazem as coisas terem um custo e permitem que aqueles que mineram as redes recebam uma recompensa.

Mas às vezes as redes ficam congestionadas, porque muitas pessoas estão usando simultaneamente uma blockchain, seja por causa de uma mudança no preço de sua criptomoeda ou porque há um novo projeto montado nela, como um jogo play-to-earn, um marketplace de NFT ou uma ferramenta DeFi que oferece retornos muito bons.

Nesses casos, as redes blockchain possuem sistemas de regulação de taxas para desencorajar o uso de uma rede altamente congestionada. Como? Da forma mais simples: elevando o custo de operação.

Por outro lado, quem usa as redes também pode intervir no valor que paga a título de comissão, definindo a prioridade de sua operação e pagando uma taxa maior. Mas lembre-se de que pagar uma taxa mais alta nem sempre garante que uma transação seja processada mais rapidamente (embora geralmente seja).

E lembre-se também que é uma configuração avançada ao negociar criptomoedas e que muitas vezes pode trazer complicações. Por isso, sempre recomendamos lidar com as taxas sugeridas pelas redes e plataformas em que você está operando.