Voltar ao início

Indústria cultural e NFT

Indústria cultural e NFT

Quando se fala de blockchain e criptomoedas, o primeiro aspecto que vem à tona é o econômico, e faz sentido porque a maioria dos empreendimentos são ferramentas financeiras, de pagamento ou de conta, ou possuem sistema econômico próprio associado a tokens fungíveis e não fungíveis, o que é conhecido como tokenomics.

Além disso, a blockchain também é um ecossistema de ferramentas e plataformas que alimentam a criatividade. O mundo NFT é onde isso se torna mais aparente, com cripto arte, jogos e o uso se torna cada vez mais difundidos para o mundo da música, arte audiovisual e entretenimento.


Indústria cultural e NFT
Os NFTs são usados ​​para mostrar quem criou uma obra, se ela é autêntica e se é realmente única.

Autenticidade, propriedade e raridade

Os NFTs são, de certa forma, uma "visualização" de um ativo inscrito na blockchain. A maioria dos NFTs tem um rosto, uma ilustração, uma estética, um personagem: uma certa imagem que os representa. É por isso que, ironicamente e depreciativamente, os NFTs são chamados de "jpgs".

Mas a diferença entre um NFT e um jpg é que o NFT também incorpora uma série de medidas de segurança e autenticidade que são fundamentais no mundo da arte. O hash do universo cripto pode determinar quando uma obra de cripto arte foi criada e por quem. Assim, você pode provar sua autenticidade. Além disso, o fato de serem NFT garante sua raridade ou escassez (se é uma obra única, limitada ou personalizada) e deixa claro que se trata de uma obra indivisível e insubstituível.

Quase naturalmente, o primeiro uso ressonante dado a eles foi no mundo da arte digital. Colagens digitais, modelagem e animações 3D, pinturas estéticas de 8 bits e coleções de personagens ilustrados deram o primeiro grande impulso ao mundo NFT. Um caso emblemático foi o de Beeple, o artista digital que conseguiu vender a colagem NFT Everydays: The First 5,000 Days por US$69 milhões.

A comunidade cripto concorda que 2022 será o ano dos NFTs musicais.