Voltar ao início

Características das blockchains

Como forma de registrar informações, as cadeias de blocos possuem muitas características particulares que são disruptivas e nos permitem pensar em novas maneiras de armazenar dados. Porém, existem três características fundamentais: são imutáveis, funcionam de maneira descentralizada e preservam a privacidade dos dados de seus usuários.

Imutabilidade

Os dados armazenados em uma blockchain são imutáveis, ou seja, não mudam por si só, nem podem ser modificados. A dificuldade implicada em reescrever uma cadeia de blocos inteira faz com que adicionar dados seja mais fácil, porém, modificar os pré-existentes se torna praticamente impossível. A menos que alguém controle 51% do poder de hash da rede, o que é virtualmente impossível, como veremos nos próximos capítulos deste Guia.

Os novos dados só podem ser adicionados à cadeia após a resolução de algum tipo de teste ou problema criptográfico e depois de terem sido aprovados por todos os membros da rede. Este processo é conhecido como "mineração", por isso, os usuários que validam as transações e as adicionam ao bloco são chamados de mineradores, os quais recebem uma recompensa pelo seu trabalho, que consiste em determinado valor expressado na criptomoeda da rede que estão minerando.

Características das blockchains
As características da blockchain conferem mais resiliência, segurança, estabilidade e privacidade às operações.

Descentralização

As blockchains são descentralizadas, pois não existe um único núcleo que gere e controle todas as informações. Cada nó da rede possui a mesma cópia da cadeia de blocos, que se mantém atualizada de forma automática.

A cadeia de blocos do Bitcoin, por exemplo, mantém um registro contábil público de transações entre endereços. Porém, em redes como Ethereum, a blockchain também funciona como um computador global, distribuído e descentralizado, que permite executar um tipo particular de software conhecido como contratos inteligentes ou smart contracts.

Privacidade

As cadeias de blocos mais usadas ​​e populares são públicas: seus dados podem ser revisados ​​por qualquer usuário e ninguém precisa pedir autorização para participar da rede. No entanto, os dados privados de seus usuários permanecem ocultos. As únicas informações relevantes para a rede são os endereços que realizam as operações e os valores ou termos do acordo. Nenhum documento, estado civil ou país de residência é exigido.

Também existem cadeias de blocos privadas, como é o caso da criptomoeda XRP. Geralmente, geram certa rejeição na comunidade por serem mais centralizadas, pois, para participar de sua rede, é preciso contar com a autorização da empresa, comunidade ou organização responsável. Embora não sejam ideais para serviços de informação ou financeiros, as blockchains privadas podem ser uma boa solução para outros propósitos, como na logística das empresas.