Voltar ao início

O que é um hard fork e quais foram os mais importantes?

29/1/21

Quando se trata de investimentos em criptomoedas, é importante ficar atento às possíveis mudanças que podem acontecer. Uma das mais relevantes é o hard fork.

O hard fork é uma das mudanças mais bruscas que podem acontecer com o protocolo de Blockchain, podendo até resultar em variações da criptomoeda. Mas não precisa ficar alarmado, antes de nos aprofundarmos em mais um termo estranho desse universo, vamos falar sobre conceitos.

O que são os "forks"?

Fork vem do termo em inglês que significa bifurcação. Em suma, é exatamente isso que acontece, há algum tipo de atualização no protocolo Blockchain e há uma divisão na cadeia de blocos. Só para situar, o protocolo Blockchain é o conjunto de regras para conexão, mineração e transação das criptomoedas.

Essas bifurcações podem acontecer de duas formas, o soft fork e o hard fork. O primeiro acontece com maior frequência e representa atualizações menores, já o segundo são mudanças significativas e que mudam as regras do Blockchain.

Hard fork em criptomoedas

Soft Fork

Para entender o Soft Fork, imagine que você atualizou o sistema operacional do seu computador. A nova versão veio com algumas mudanças no visual, mas nada drástico, todos os seus programas funcionam nessa nova versão do sistema. Quando olhamos para o Blockchain, o protocolo original é mantido e os blocos que não atualizarem o software continuam funcionando, a menos que se faça algo contra o novo protocolo.

Hard Fork

Ao fazer uma atualização do tipo hard fork no seu sistema operacional, uma versão completamente nova é instalada. Basta pensar em seu smartphone, toda vez que uma nova versão é instalada, praticamente tudo muda e a forma como você usa o celular tende a mudar. São novos ícones, funcionalidades e regras que antes não existiam.

Quando isso acontece no universo cripto existem duas versões do protocolo Blockchain que não conversam mais. Inclusive, isso pode dar origem a uma nova versão de uma mesma criptomoeda, como o Bitcoin Gold que falaremos mais à frente. A nova versão herda o histórico acumulado até o momento da bifurcação, e então, cada versão segue o seu próprio rumo.

Por que atualizar o protocolo Blockchain?

Existem diversos motivos, imagine que as criptomoedas são relativamente novas, e certamente, não nasceram tão maduras. Dessa forma, é importante continuar investindo em alterações que contribuirão na construção de uma rede cada vez mais eficiente.

Sendo assim, os dois principais motivos para as atualizações são: corrigir riscos de segurança que são encontrados e adicionar novas funcionalidades.

O que o fork significa para os investidores?

Se você compreendeu até aqui, será fácil entender que o soft fork não muda nada na vida do investidor. Em muitos casos, essas atualizações raramente são percebidas.

O hard fork é outra história. Imagine a seguinte situação: você tem um celular Android de 2010, ele pode funcionar, fazer ligações, mandar mensagens, mas nunca será capaz de instalar o WhatsApp. Isso porque o aplicativo agora demanda sistema Android mais atual. Nessa analogia, sua carteira virtual é o celular antigo e o WhatsApp é a criptomoeda após um hard fork, será necessário que a carteira seja atualizada para utilizar a nova versão da moeda.

Sendo assim, é importante ficar atento se a plataforma suporta o novo código, isso é especialmente relevante em carteiras virtuais caso você deseje optar pelo novo protocolo.

Os principais hard forks na história das criptomoedas

Os hard forks deram origens a novas moedas e ainda algumas histórias assustadoras de fraudes, que quase passaram por situações complexas.

Bitcoin Cash

No ano de 2017, vários mineradores tiveram a ideia de aumentar o limite na rede Bitcoin para 8 MB. Como a decisão não teve consenso pela comunidade, nasceu o Bitcoin Cash que possuía um novo protocolo. Na época, todos que optaram pela atualização receberam o mesmo valor que tinham do Bitcoin tradicional.

Bitcoin Gold

Aqui houve uma alteração quase que completa no algoritmo, mudando o processo de mineração. Isso aconteceu para descentralizar o processo que estava concentrado em algumas exchanges.

Ethereum e DAO

Em 2016 a DAO (Decentralized Autonomous Organization) foi construída para atuar como um fundo de capital de risco baseado na Ethereum.

Dessa forma, qualquer detentor de Ether poderia adquirir tokens DAO. O que não esperavam é que a DAO fosse hackeada e que 3,6 milhões de Ether fossem roubados. Contudo, esse problema foi rapidamente resolvido através de um soft fork e a comunidade votou por um hard fork posteriormente.

Agora que você já conhece mais sobre o tema, que tal fazer parte do futuro através das criptomoedas? Conte com o Ripio para comprar Bitcoin e outras criptos com segurança e tranquilidade!