Voltar ao início

Altcoins, stablecoins, memecoins e muitas outras moedas!

5
minutos de leitura

Altcoins, stablecoins, memecoins e muitas outras moedas!

14 Feb
Investimentos
Mitie Okabayashi
Content Analyst
14/2/22

Entre o surgimento do Bitcoin e o início de 2022, apenas 13 anos se passaram. No entanto, nesse curto espaço de tempo, surgiram mais de 17.000 projetos de tokens e criptomoedas.

Mas nem todas essas criptos funcionam da mesma forma ou servem ao mesmo propósito. Há algumas com oferta limitada e algumas sem limite. Existem aquelas que operam em suas próprias blockchains e os tokens registrados em outras. Algumas surgiram para reduzir a volatilidade do Bitcoin, outras para realizar operações mais rápidas. Também existem criptos que vêm de protocolos DeFi ou videogames NFT. Cada uma tem suas próprias características.

Em resumo, classificar essas 17.000 criptomoedas de forma consistente é uma tarefa difícil, mas ao longo desses 13 anos surgiram diferentes conceitos que designam grupos específicos de tokens e criptomoedas, como altcoins, stablecoins e memecoins.

O que são altcoins

O primeiro conceito realmente difundido que apareceu foi o de altcoins, literalmente "moedas alternativas". Alternativas a o que? Bem, ao Bitcoin. As primeiras altcoins foram Litecoin, Dash, Monero e Ripple, cada uma com sua própria utilidade, com seu diferencial. Até mesmo o Ethereum.

Mas como permite a criação de contratos inteligentes que podem ser usados ​​para criar outros tokens, o surgimento do Ethereum em 2015 causou um boom no ecossistema de criptomoedas e a proliferação de dezenas, centenas de novas moedas.

Quando havia apenas 15, 30 ou 50, chamá-las de Altcoins fazia mais sentido. Mas atualmente não resolve muito ter um conceito que possa designar a mais de 17.000 criptos de uma só vez.

Da mesma forma, há quem continue a usá-lo, embora não mais para diferenciar “moedas que não são Bitcoin”, mas para se referir a tokens e criptomoedas que não estão entre as principais do mercado.

Assim, o conceito atual de Altcoin é mais vago, mas é usado para designar moedas de projetos emergentes ou que ainda não parecem ter atingido todo o seu potencial.

O que é uma alt season

Outro conceito derivado das Altcoins é o da alt season: temporada das altcoins. Ao longo de sua história, o BTC entrou em declínio várias vezes e por tempos sustentados. Naquela época, muitos entusiastas e investidores costumavam retirar seus fundos em bitcoins e transferi-los para outras moedas que estavam em alta. Quando um grande número de pessoas movimentava seu dinheiro, dizia-se que estava em uma alt-season, um período em que era conveniente apostar em altcoins.

O mercado evoluiu, tornou-se mais resiliente e diversificado, e diferentes razões (como grandes participações corporativas de criptomoedas) agora podem fazer com que todo o ecossistema se mova mais como um bloco. Nessas primeiras semanas de 2022, de fato, praticamente todas as moedas caíram: BTC, altcoins, memecoins. Todos, exceto stablecoins.

Stablecoins, as moedas estáveis 

Um dos grupos de criptomoedas mais importantes do ecossistema é o das stablecoins, criptomoedas consideradas estáveis ​​porque seu preço não depende tanto da oferta e da demanda, mas é fixo ao de algum outro ativo.

As stablecoins mais populares são aquelas atreladas ao dólar: moedas como USD Tether (USDT), USD Coin (USDC) ou DAI custam 1 dólar americano. Mas há stablecoins que combinam seu valor com o de outros ativos: metais preciosos, cabeças de gado, terrenos.

Stablecoins são super importantes para o mercado de criptomoedas atual, pois permitem proteger o valor nos mercados em baixa, e também têm muita utilidade no DeFi.

Além disso, em países com fortes restrições monetárias, as stablecoins permitem que você economize em dólares sem limites de compra ou uso.

Se você quiser uma visão geral rápida do que são stablecoins, confira este artigo. Se o que você procura são informações mais detalhadas e tem mais tempo, lembre-se de que pode ler nosso Guia sobre stablecoins.

Memecoins, coisa séria

Por fim, uma das categorias mais em alta nos últimos tempos são as memecoins ou criptomoedas de memes, que também podem ser agrupadas em altcoins.

Nesse caso, são tokens que se inspiram em alguma comunidade da internet ou mesmo diretamente em piadas que circulam neles, e embora não pareçam ter um uso muito claro, tendem a seduzir os entusiastas das criptomoedas.

O caso mais distinto é o Dogecoin, a moeda que tem o cão shiba inu asiático como mascote, e sobre a qual você pode ler muito mais neste artigo do blog. O Dogecoin surgiu como uma adaptação do código Litecoin, com a proposta de ser uma moeda útil para transferir pouco valor em pouco tempo e com baixas comissões.

Após a popularização do Dogecoin a partir do burburinho gerado pelas personalidades do entretenimento e da tecnologia, surgiu uma enxurrada de "Dogekillers" ou tokens que vieram para destroná-lo daquele lugar de privilégio, buscando ser o novo memecoin reinante. Nesse sentido, Shiba Inu foi o mais próximo do alvo, mas existem muitos outros.

O problema com as memecoins é que além dos casos mais retumbantes de DOGE e SHIBA, muitos outros não têm um projeto sólido ou muito seguro por trás deles.

É por isso que, como sempre lhe dizemos, não importa se são bitcoins, altcoins, stablecoins ou memecoins: sempre tome o cuidado de investigar minuciosamente cada projeto e analisar se eles são seguros para você ou se funcionam para suas necessidades. Se você precisar de ajuda para entender como avaliar tokens e criptomoedas antes de entrar no mercado de criptomoedas, confira este artigo.