Voltar ao início

O que é Metaverso, o futuro das comunidades digitais

8/2/22

O anúncio de que o Facebook mudou de nome para Meta e está tentando passar de rede social para plataforma de metaverso trouxe esse conceito para um público grande, mas é algo que se fala há muito tempo no mercado cripto. E embora tenha começado como um espaço teórico, inspirado na ficção científica e nos videogames, torna-se cada vez mais concreto graças a algumas experiências que agora estão prontas para você experimentar.


Na verdade, há casos de comunidades virtuais como a Descentraland, que há anos vem popularizando e povoando o metaverso. E a recente explosão de videogames Play-to-Earn, com projetos como Axie Infinity, também ampliou o escopo dessa ideia e está abrindo o caminho para o metaverso.

O metaverso é um ambiente digital persistente. O que isso significa? Primeiro, observe que dissemos “o metaverso” e não “um metaverso”. É que o metaverso é um só, como a internet. Embora da mesma forma que a web, também é integrada por muitos produtos, projetos, plataformas, serviços, empresas, jogos, comunidades.

Esse espaço é digital, uma virtualização. Visualmente, a forma mais comum de descrevê-lo é como se fosse o universo 3D de um videogame on-line: Fortnite, por exemplo. Só que é muito maior, e não tem limite para o número de usuários. Este metaverso funciona on-line e está sempre operacional, mesmo que haja um usuário, milhares ou nenhum. É por isso que se diz que é persistente.

Este espaço digital é tão grande que pode ter diferentes ambientes, mundos, comunidades, cidades… enfim, espaços ou experiências, cada um com seu próprio design, cultura e economia. Assim como na internet passamos de assistir um vídeo no YouTube para bater um papo com alguém no Telegram, então entramos em uma reunião de trabalho pelo Meet e terminamos o dia pagando contas no MercadoPago, o mesmo acontece no metaverso.

Esse espaço virtual 3D e on-line permite substituir ou complementar muitos aspectos da vida. Como? Por meio de um avatar. No que o usuário comum vê, o metaverso permite que nosso personagem caminhe pelo multiverso (auxiliando por dispositivos de realidade virtual e aumentada) para interagir, negociar, resolver problemas e se divertir. O que quisermos. 

No metaverso você pode trabalhar, brincar, trocar, socializar, aprender. Você pode descobrir coisas, mostrar suas criações, ingressar em comunidades e grupos de interesse, consumir conteúdo, explorar esse mundo 3D, encontrar um parceiro e negociar criptomoedas. Só que tudo isso acontece em um ambiente mais animado, inspirado em videogames multiplayer e redes sociais, e que também funciona de forma descentralizada, como as redes blockchain.

 Um universo feito de universos

O multiverso é composto de várias propostas, que são usadas para coisas diferentes. Por causa disso, nem todo o metaverso tem a mesma aparência. Qualquer pessoa pode desenvolver sua contribuição e dar a ela sua própria forma e estética. Fortnite pode oferecer sua experiência, Axie Infinity pode ter uma completamente diferente, e Decentraland a sua. Como se fossem continentes, lugares, mapas ou telas diferentes do mesmo universo 3D. Em outro espaço as bandas podem fazer shows virtuais, em outros existe uma comunidade para ter cybergirls. 

O metaverso é um novo espaço de interação humana, onde não há limites físicos. É uma nova forma de rede globalizada, como a internet. Só que você não “navega” digitando textos, mas caminha e interage, mais como um jogo.

Esse ambiente digital combina tarefas do mundo concreto, como trabalhar ou estudar, com tudo o que tem a ver com lazer, curiosidade, cultura e diversão em suas versões digitais. Mas há também o componente econômico e financeiro: no metaverso você compra, vende, negocia, aluga, cobra e paga. Nesse contexto, as criptomoedas são uma ferramenta perfeita para essa nova forma de comunidades digitais.

Importância das criptomoedas no metaverso 

A referência direta aos jogos on-line não é apenas para a estética. Além disso, os videogames nos habituaram às economias digitais, microtransações, eventos e interações sociais por meio de avatares

Tokens e criptomoedas funcionam no metaverso em seu melhor, pois tudo se resume a interações e operações digitais. O uso mais óbvio é que a criptomoeda é a moeda padrão do metaverso.


Os tokens não fungíveis (NFT) são outro elemento chave. Eles podem ser nosso personagem (um cryptopunk pode ser seu avatar e um Axie seu animal de estimação), mas também funcionam como um passe de entrada para certas experiências ou como um cartão de participação para uma determinada comunidade. Existem algumas experiências que permitem comprar um pacote neste metaverso, que é representado por um NFT. As obras de arte digital dos museus virtuais do metaverso também são fichas não fungíveis. E muitos outros usos que você pode encontrar nesse artigo

Lembre-se de que o metaverso é um ambiente puramente virtualizado, portanto, a identidade cotidiana pode ou não ser relevante. Neste sentido, os NFTs e as ferramentas que permitem gerir os endereços cripto são fundamentais, pois permitem validar os direitos de propriedade, a disponibilidade de fundos, e até a identidade digital escolhida. 

Casos de Axie Infinity e Decentraland 


Axie Infinity foi criado em 2018 pela empresa Sky Mavis, e consiste em criar e lutar contra criaturas conhecidas como Axies, que são tokens não fungíveis. Essas criaturas podem ser usadas em batalhas contra outros jogadores ou contra a inteligência artificial do jogo. Cada vitória oferece uma quantidade de SLP, um token fungível com o qual o jogo recompensa o tempo e esforço que investimos nele. Ao adicionar SLP e AXS, o token de governança, você pode cruzar as duas criaturas para ter um novo NFT de sua preferência. Lembre-se que na Ripio você pode comprar SLP e AXS.

Decentraland é uma plataforma social construída em Ethereum VR. Um mundo virtual onde você cria avatares, interage e executa tarefas. Parte central do jogo é a compra de parcelas onde você pode construir escolhendo formato, materiais, design, tudo em um NFT que é registrada na blockchain. A economia de Decentraland é baseada em MANA, o token do jogo, que você também pode obter na Ripio.