Voltar ao início

O caso do Uniswap

O caso do Uniswap

Exchanges descentralizadas e mercados de token automatizados. UNI, o token Uniswap nativo. Como funcionam os dex?

Um dos projetos DeFi mais significativos é a exchange descentralizada Uniswap, que funciona de forma semelhante a qualquer exchange onde os usuários fazem trade entre pares, mas com uma infraestrutura descentralizada.

O bom das DEXs como o Uniswap é que o controle dos fundos está sempre nas mãos do usuário. E que, além disso, devido à grande base de usuários e provedores de liquidez da plataforma, há uma resposta cada vez mais rápida para as negociações.

Nos primeiros dias de DeFi, surgiram crises de liquidez, mas aconteceu quando os serviços eram incapazes de atender à demanda do mercado. Isso aconteceu porque era muito difícil para as DEXs ter disponíveis as grandes quantidades necessárias quando um token DeFi começou a dar bons rendimentos e todos queriam negociar.

Até o aparecimento do ‍Uniswap em 2018, que funciona com base em mercados de tokens automatizados ERC-20: com esta e outras DEXs semelhantes, a comunidade DeFi pode fazer trade com tokens com termos e comissões mais baixos: pegar DAI e converter em ETH, por exemplo, ou pegar e LINK para USDC. Além disso, o Uniswap possui seu próprio token, UNI, um dos 10 principais do mercado.

Uniswap

Como funciona o Uniswap e outras DEXs 

Assim como um usuário pode negociar suas criptomoedas por outras no Uniswap (o processo é conhecido como "fazer swap" ou "swapear"), o resto do ecossistema também pode. Mesmo grandes projetos com um grande número de tokens para alterar. Portanto, o Uniswap deve ser capaz de responder a essa demanda para que qualquer pessoa possa trocar suas criptomoedas. Em outras palavras, deve ser capaz de "fornecer liquidez" ao ecossistema.

Para fazer isso, as DEXs incentivam a adição de tokens e criptomoedas a um pool de liquidez onde os fundos são agrupados. Em um pool de liquidez do Uniswap não é necessário que todos coloquem o mesmo tipo de ativo. Uma pessoa pode colocar Dogecoin, outra uma stablecoin como USDT, e outra até UNI, o token do próprio Uniswap. Tudo isso funciona por meio de smart contracts, sem que o usuário precise fazer nada. É por isso que são conhecidos como mercados automatizados.

Esses pools de liquidez são algo parecido com "fazer uma vaquinha" dos fundos disponíveis, onde um coloca um pouco, outro também e assim por diante. Dependendo do tipo de ativo e do valor adicionado à carteira, é a recompensa que se obtém: o desempenho. Nesse sentido, é como depositar dinheiro a prazo fixo cujas condições são estabelecidas em contratos inteligentes, transparentes e infalíveis.

Existem várias maneiras de depositar esse dinheiro. Os pools de liquidez fornecem disponibilidade de tokens e criptomoedas para a negociação. Os pools de lending geram fundos para empréstimos em criptomoedas, conhecidos como borrowing. Em ambos os casos, geralmente a mesma quantia (em dólares) de um par de tokens deve ser depositada, por exemplo, ETH e UNI.

A contribuição para os pools geralmente produz rendimento com base na quantidade de movimento que ocorre no par. Isso significa que uma parte da comissão que é gerada nas DEXs como um custo para negociar criptomoeda e transferida para quem contribuir com fundos para esse pool. Se alguém passa sua ETH para a UNI, os usuários que forneceram liquidez na ETH e na UNI cobram parte dessa taxa.


Já o staking consiste em "bloquear" uma certa quantidade de um token específico em troca de um rendimento ou "juros". É muito mais parecido com um prazo fixo, onde esse lucro ocorre dependendo de quanto tempo deixamos nossos fundos depositados. Observe que o staking pode ser interrompido a qualquer momento e o rendimento cobrado até esse ponto.

Próxima